O Halloween é comemorado em diversos países ao redor do mundo no dia 31 de outubro, véspera do Dia de Todos os Santos. O nome “Halloween” vem de “All Hallows’ Eve”, que significa, literalmente, “véspera do Dia de Todos os Santos” (que é comemorado no dia 01 de novembro, então cuidado para não confundir com Finados, do dia 02 de novembro).

Nós não comemoramos o Halloween aqui no Brasil, mas, com o perdão da brincadeira, parece que, mesmo assim, existem alguns “fantasmas” que assombram os alunos de inglês. Existem alguns erros que são cometidos com muita frequência, e não apenas por alunos iniciantes.

Veja a lista abaixo e descubra quais “fantasmas” você ainda precisa enfrentar.

 

1. A pronúncia do “th”

Este fantasma assusta alunos de todos os níveis e pode ser bem complicado, porque ele parece pequeno, mas não é. Como você pronunciaria as palavras “thank”, “tank” e “sank”? Elas parecem iguais, mas não são. Pense nas palavras “mão” e “mau” em português. Possivelmente um estrangeiro teria dificuldade para perceber a diferença, mas você consegue identificar logo de cara.

Com o “th” é a mesma coisa, então, para não errar, lembre do seguinte: é só colocar a ponta da língua entre os dentes da frente e fazer o ar passar por cima e por baixo da língua. É isso! Não existe um som propriamente dito, é só o ar passando entre a língua e os dentes.

 

2. A conjugação da terceira pessoa no presente

Eu já escrevi um artigo inteiro sobre este fantasma, é só clicar aqui para você ler. Mas lembre-se: na terceira pessoa do singular, ou seja, he, she e it, o verbo terá a letra “s” no presente.

Por isso, enquanto dizemos “I work”, “we work” ou “they work”, a terceira pessoa será “he works”, “she works” e “it works”.

 

3. There + to be vs. Have

Você já falou “have a book on the table” ou “have 5 students in class”? Se sim, então este fantasma já assombrou você.

Em português, costumamos usar o verbo “ter” no lugar de “haver”, e levamos isso para o inglês. Acontece que “have” tem um significado completamente diferente de “there is” ou “there are”. Enquanto “have” expressa uma posse, o “there + to be” expressa existência. Ou seja, você só pode usar “have” quando disser quem é o dono do objeto da frase, e “there + to be” quando ele simplesmente existir, sem mencionar quem é o dono. Por exemplo:

Mary has a book. It is on the table.
There is a book on the table.

The teacher has 5 students.
There are 5 students in class.

 

4. “Have” para dizer a idade

Aproveitando o último tópico, você se lembra como dizer a sua idade? Se pensou em “I have 30 years old”, então temos um fantasminha para controlar. Lembre-se que para dizer a idade em inglês nós usamos o verbo “to be”, ou seja, “I am 30 years old”.

O verbo “have” só pode ser usado quando você estiver mencionando uma experiência, como em “I have 30 years of experience in this job”.

 

5. Usar “your” no lugar de “his” e “her”

Este fantasma é muito confuso e parece ter os pés e as mãos trocados. Como você, leitor ou leitora, se sentiria se alguém contasse uma história sobre outra pessoa e ficasse dizendo o tempo todo que você é quem fez as ações? Provavelmente você acharia estranho, não é? Pois é isso o que acontece quando trocamos “his” ou “her” por “your”.

Portanto, lembre-se: “your” só pode ser usado quando você estiver falando sobre a pessoa com quem você está conversando. Caso contrário, use “his” quando estiver falando sobre um homem e “her” quando estiver falando sobre uma mulher.

 

E então, quantos fantasmas você precisa enfrentar? Lembre-se que a prática é amiga da perfeição, e quanto mais você treinar, melhor vai ficar.

Good luck and happy Halloween!

 

Escrito por Michel Rosas e publicado na coluna semanal de inglês da Revista Exame. Editado para o blog da Companhia de Idiomas.

WhatsApp chat