Existem alguns problemas que são muitos comuns entre os alunos que estão estudando por meio de um curso online. Veja abaixo 4 desses problemas e algumas dicas para resolvê-los.

 

1. Resistência à mudança

Ainda há muitos alunos que não querem testar novas modalidades de cursos. Ficam presos a modelos tradicionais de ensino do idioma estrangeiro, do tipo “old school”.

As pessoas não gostam de sofrer mudanças, acham sempre mais fácil fazer do jeito que sempre fizeram. Gostam mais quando elas decidem mudar. Porém, para isso acontecer, precisam abandonar certas crenças como:

– Só vou aprender o idioma estrangeiro se tiver aulas presenciais,
– Só vou aprender se fizer aula com nativo,
– Só vou aprender quando fizer intercâmbio e por aí vai.

O aprendizado acontece quando estamos abertos para o novo e temos disciplina para realizar as aulas e o estudo autônomo, no tempo necessário para chegar ao nível de fluência desejado.

2. Dificuldades com a tecnologia

Muitas pessoas não conhecem as ferramentas para aulas online e ao vivo por ferramenta de videoconferência, nem aplicativos para celulares e tablets. A abertura para o aprendizado, que mencionei no item 1, também se aplica para saber usar os recursos tecnológicos a nosso favor, e não é só para o estudo de idioma estrangeiro.

Há pessoas que dizem não gostar de aulas online, mas o que está por trás dessa opinião é o medo de lidar com o novo. Para muitos, ainda é uma barreira lidar com a inovação diária que a tecnologia promove. Existem tutorias na Internet que nos ensinam a usar o que quisermos, há cursos e podemos perguntar e aprender com quem sabe usar.

 

3. Falta de motivação

O curso online permite a flexibilidade e com ela vem a responsabilidade. Nem todos têm a disciplina necessária para fazer um curso sem acompanhamento direto, cobrança de participação e que pode ser feito no ritmo do aluno.

Já no curso ao vivo à distância, o aluno tem a figura do professor e isso acaba colocando uma regularidade no estudo. A regularidade e dedicação são fundamentais para o progresso no aprendizado. Se o aluno sente que não está evoluindo, tende a desistir, mesmo que o motivo da estagnação no idioma seja por sua falta de motivação para realizar as aulas e o estudo extraclasse. Não há milagres e nem receitas prontas!

Para cursos online nos quais o aluno determina quando vai entrar na plataforma, o ideal é:

1. Adquirir licença em uma plataforma moderna que ofereça vários recursos para o estudo. Portanto, pesquisar todas as opções de mercado, ver reviews e comentários na Internet. Se tiver um período gratuito, importante experimentar.
2. Determinar dias e horário em que seja possível se dedicar por pelo menos 30 minutos ao estudo e colocar na agenda. Encarar como um compromisso! Não caia na armadilha “Ah, faço amanhã…” Vai acontecer o que se passa com muitas pessoas que compram um semestre nas academias, fazem um mês e depois não vão mais.
3. Antes de começar a estudar, estabelecer um plano de estudo e meta, com prazo determinado. Tenha isso sempre por perto.

 

4. Falta de interatividade

Alguns alunos se sentem melhor em um ambiente social de aprendizagem. Para eles, o aprendizado online com ênfase no acesso individual e estudo dentro do seu ritmo pode soar um pouco impessoal.

A falta de interação com outros alunos e professores é um dos problemas mais comuns. No entanto, isso acontece quando o aluno opta por fazer somente a versão assíncrona, ou seja, só as atividades das unidades do curso e não participa das aulas ao vivo à distância.

Muitas plataformas oferecem esse formato de aula, mas o aluno precisa se inscrever e entrar no link no dia e horário agendados, ou seja, depende de colocar na agenda e ter a disciplina para participar.

Se o aluno não gosta porque cada aula é dada por um professor diferente e com participação variada de alunos, ele pode optar por ter aulas com um único professor pela própria plataforma. Ele também pode contratar um professor particular, fora da plataforma, ou escolher uma das várias escolas que oferecem essa modalidade. Desta maneira, ele terá o acompanhamento constante do professor que o ajudará a colocar em prática seu plano de estudo, eliminar seus problemas de comunicação no idioma estrangeiro e atingir sua meta de fluência. Você usa a plataforma como o material virtual, fonte para prática oral nas aulas com seu professor.

Por fim, minha última dica é: busque o autoconhecimento. Avalie como você se comporta como aluno, quais são seus gatilhos de fuga dos cursos. Muitas vezes, o próprio aluno é a barreira para o aprendizado, pois ele se deixa levar por suas crenças e comportamentos sabotadores. Pense nisso!

 

Escrito por Lígia Velozo Crispino e publicado na coluna semanal de inglês da Revista Exame. Editado para o blog da Companhia de Idiomas.

Lígia Velozo Crispino, fundadora e sócia-diretora da Companhia de Idiomas. Graduada em Letras e Tradução pela Unibero. Curso de Business English em Boston pela ELC e extensões na área de Marketing na ESPM, FGV e Insper. Coautora do Guia Corporativo Política de Treinamento para RHs e autora do livro de poemas Fora da Linha. Colunista do portal Vagas Profissões e Revista Exame. Mobilizadora cultural à frente do Sarau Conversar na Livraria Martins Fontes. Quer falar comigo? Meu email é ligia@companhiadeidiomas.com.br e Skype ligiavelozo

WhatsApp chat