A sócia-diretora da Companhia de Idiomas Rosangela Souza, que está no mercado de idiomas há mais de vinte anos, respondeu algumas perguntas sobre o tema:

Com relação a aprendizado, os pais devem estar atentos a alguns aspectos:
  

a) Seus filhos devem desenvolver prazer e curiosidade de aprender e nunca considerar aprendizado como obrigação.  Fazê-los estudar porque tem prova, ou mandar estudar  como castigo são formas de dizer ao seu filho que aprender é algo chato. Se quisermos que nossos filhos gostem de descobrir coisas novas durante toda a vida, precisamos criar  condições para que o aprendizado seja lúdico e divertido.

b) Crie um ambiente em sua casa em que ninguém seja viciado em nada: mostre que é possível desligar a TV para ler um livro, variar a rotina, fazer algo diferente a cada noite, especialmente não transformando em hábitos aquelas coisas banais que, já sabemos, só não são nocivas porque são infrequentes.  Assistir a um capítulo de uma novela ou  Big Brother, por exemplo, não faz mal a ninguém.  Mas perder duas horas todos os dias com estas bobagens, é um péssimo exemplo, pois você está passando a mensagem de que também não gosta muito de aprender coisas novas, já que não há nada de novo nestes programas.  Como seus filhos estão aprendendo o mundo com você, eles podem incorporar (em excesso) vários destes hábitos nocivos, incluindo redes sociais e games. Ou seja, se somar um pouco de tudo isso, não sobra tempo para nada relevante no dia. Verifique se as boas ações que propulsionam o aprendizado já estão virando hábitos. Ele pega o violão pelo menos uma vez por semana? Lê um livro? Conversa em inglês com o tio? Assiste ao noticiário e discute suas opiniões com você?  Está no caminho certo.

c) Sabe aquele teste de 1960 em que crianças de quatro anos tiveram de decidir se queriam um marshmallow na hora ou dois marshmallows depois de quinze minutos? Pesquisadores americanos monitoraram estas crianças por décadas. Aquelas que conseguiram esperar por dois marshmallows, hoje são mais bem sucedidas em tudo o que fazem. Eram crianças que, por alguma razão, já entendiam que o anseio pelo prazer imediato pode privar você de um benefício maior.  Você atende a todas as necessidades de seu filho, na hora?  Ele não tem exercitado a paciência de esperar por algo melhor no futuro, se privando de algo hoje?   Cientistas afirmam que ele pode ter problemas  no trabalho, por não ter foco. Problemas financeiros, por não ter autocontrole. Problemas de peso, por não resistir aos doces. E vai se especializar em desistir de cursos, por não ter paciência de passar pelas dificuldades inerentes a qualquer aprendizado.  Persistência, paciência, resiliência, humildade de aprendiz.

d) Para que tudo isso aconteça, seu papel como motivador é fundamental, já que a criança repete o comportamento que os pais dão atenção. Se o objetivo é o aprendizado do inglês, você deve propor jogos de vocabulário, ler para eles estorinhas em inglês, assistir a desenhos em inglês, ouvir música com eles. Sem pressão, só diversão mesmo. Não fique corrigindo tudo, lembre-se de que o objetivo é se divertir aprendendo e não que ele domine o conteúdo. Tudo isso pode ser muito prazeroso para os filhos, simplesmente  porque você está perto, e eles vão relacionar o aprendizado a momentos agradáveis. Quando adultos, talvez até se esqueçam da razão pela qual gostam tanto de aprender.  

Rosangela Souza é fundadora  e sócia-diretora das empresas Companhia de Idiomas e ProfCerto. Graduada em Letras e Tradução/Interpretação pela Unibero, Business English na Philadelphia, USA.  Especialista em Gestão Empresarial com MBA pela FGV e aluna do Pós-MBA da FIA/USP. Desenvolveu projetos acadêmicos sobre segmento de idiomas, planejamento estratégico e indicadores de desempenho para MPMEs.  Colunista do portal da Catho Carreira & Sucesso. 

WhatsApp chat