Apesar de todos nós termos o mesmo equipamento refinado: o cérebro, nós não o utilizamos da mesma forma. Cada um absorve, enxerga, interpreta o mundo de uma maneira específica. Por isso, é necessário ter consciência dessas diferenças para compreender o que agrada aos nossos amigos, aos pares, aos gestores, aos liderados e à família e também o que os frustra.  

 

Para ajudar neste processo de conscientização, o primeiro recurso é a empatia, pois ela nos permite ver o outro como ele realmente é, com todas as suas qualidades exclusivas, em vez de tentar transformá-lo em alguém diferente. Isso porque nós gastamos muita energia, tentando fazer com que os outros sejam do nosso jeito.

  

O segundo recurso é a paciência. Sem ela, não podemos aprender as lições que a vida tem para nos ensinar e, consequentemente, não amadurecemos. Permanecemos, então, naquele estágio de crianças irritadas que não conseguem adiar o prazer.

  

Quando exercitamos a paciência, não deixamos ser dominados por nossas emoções, temos autonomia para escolher como reagir aos acontecimentos, principalmente os que geram insatisfação. A impaciência é um hábito, sendo assim, a paciência também. Não quero dizer aqui que temos de "engolir sapos" a vida inteira, mas há muitas situações nas quais nos deixamos levar pela negatividade do outro e pelo nosso ego. Quanto mais soubermos desviar dos golpes da vida e tolerar as peculiaridades das outras pessoas, menos estresse e frustração experimentaremos, porque "a nossa biografia se torna a nossa biologia", como disse Caroline Myss.

 

A impaciência está retratada neste trecho do livro "Zorba – o Grego" de Nikos Kazantzakis. 
 

"Lembrei-me de uma manhã em que encontrei um casulo preso à casca de uma árvore, no momento em que a borboleta rompia o invólucro e se preparava para sair. Esperei algum tempo, mas estava com pressa e ele demorava muito. Enervado, debrucei-me e comecei a esquentá-lo com meu sopro. Eu o esquentava, impaciente, e o milagre começou a desfiar, diante de mim, em ritmo mais rápido que o natural, abriu-se o invólucro e a borboleta saiu arrastando-se. Não esquecerei jamais o horror que tive então: suas asas ainda não se haviam formado, e com todo o seu pequeno corpo trêmulo, ela se esforçava para desdobrá-las. Debruçado sobre ela, eu ajudava com meu sopro. Em vão. Um paciente amadurecimento era necessário, e o crescimento das asas se devia fazer lentamente ao sol; agora era muito tarde. Meu sopro havia obrigado a borboleta a se mostrar, toda enrugada, antes do tempo. Ela se agitou, desesperada, e alguns segundos depois morreu na palma de minha mão".

  

A impaciência mina o que temos de bom. Já a paciência nos permite a autopercepção das qualidades e defeitos, sob todas as formas, e a percepção pelos outros do que existe de melhor em nós. Na verdade, a nossa imagem é um reflexo externo de parte do que existe internamente em nós. Esse reflexo é moldado, em especial, pelos seguintes aspectos:

  

– Tratamento que damos às outras pessoas. 

 

– Conhecimento/ repertório. 

 

– Aparência. 

 

– Comunicação verbal e não-verbal. 

 

Se você não sabe direito como agir para preservar bons relacionamentos, listei abaixo alguns comportamentos um tanto óbvios, mas não tão simples de serem colocados em prática: 

 

– Não levar tudo para o lado pessoal. 

 

– Não fazer suposições. 

 

– Entender que muitas das coisas que não nos agradam nos outros representam traços nossos de que não gostamos. 

 

Temos de identificar o que nos deixa impacientes e tratá-lo como nosso grande mestre, como nossa grande oportunidade de aprendizado. 

 

– Ter paciência, pois é uma atitude receptiva. 

 

– Demonstrar interesse verdadeiro pelas pessoas. 

 

– Identificar afinidades. 

 

– Celebrar a diversidade.

 

Lançado o desafio para 2015!

Por Lígia Crispino para RH.com


Ligia Crispino é fundadora e sócia-diretora da Companhia de Idiomas e do ProfCerto. Formada em Letras e Tradução/Interpretação pela Unibero, possui cursos em Marketing de Serviços pela FGV; Gestão de Pessoas pelo Ibmec; Branding e Inteligência Competitiva, ambos pela ESPM; Business English em Boston. É analista quântica e dá palestras sobre comunicação, ensino, gestão de negócios e pessoas. Ligia escreve mensalmente para o VAGAS Profissões

 



WhatsApp chat