Some, any e no são 3 palavras que muitos estudantes de inglês costumam confundir a hora correta de utilizá-las.

O uso delas é muito parecido, mas, ao mesmo tempo, são completamente diferentes. Dependendo do contexto elas podem significar algum, alguma, qualquer, nenhum, etc. Por isso, cuidado pra não trocar some por no e dizer o oposto do que pretendia!

Mas entender quando usar cada uma delas não é uma tarefa difícil. Na verdade, é só você observar se a frase é uma pergunta, uma frase afirmativa ou uma frase negativa.

Leia Mais

Estamos vivenciando um paradoxo no mercado de trabalho. Por um lado, as gerações chegando às empresas não estão encontrando o ambiente desejado para seus sonhos e habilidades. Isso porque muitas delas ainda têm uma cultura que já não apresenta aderência ao papel do trabalho em suas vidas.

Os jovens preferem seguir o caminho oposto ao dos pais, que escolhiam um curso mais tradicional, ficavam muito tempo ou a vida toda na mesma empresa e viam o trabalho apenas como um meio de pagar as contas, como o estudo dos filhos; poupar para comprar imóvel, carro; fazer passeios e viagens. Os jovens procuram propósito no ambiente profissional, querem se sentir parte de um grupo que busca resultados. Se não tiverem o que desejam, vão se desmotivar e ir atrás do que acreditam.

Por outro lado, o ambiente extremamente competitivo tem exigido mais e mais dos negócios. A fim de fazer frente ao cenário hostil, as empresas têm buscado os resultados necessários através da contratação de profissionais extremamente qualificados, mas que também não representem um alto custo para a folha. Porém, as empresas afirmam que muitos jovens, com menos de 24 anos, não têm habilidades e bagagem suficientes que justifiquem a contratação. Em parte, isso acontece por conta das falhas no sistema educacional para formação de profissionais no Brasil.

Leia Mais

Politics, political e policy são três termos que costumam ser confundidos por estudantes de inglês. E não podemos nos esquecer de mencionar também police (polícia).

Se você também tem dificuldades para lembrar a diferença entre eles, veja abaixo as definições, leia os exemplos e depois tente completar as frases.

Leia Mais

Ouvir e entender o que um nativo está dizendo costuma ser uma das maiores dificuldades para os alunos de inglês. A velocidade da fala de um nativo é bem rápida, e para dificultar um pouco mais, você pode ouvir algumas gírias, e se você não estiver preparado para elas, pode ter dificuldades.

Lembro que uma vez eu li o relato de uma professora que havia se preparado por vários anos e, em sua primeira viagem aos Estados Unidos, foi a uma lanchonete, pediu um refrigerante, e ficou sem reação quando a garçonete respondeu “wanna a straw?”.

E isso pode acontecer com professores, alunos, com todo mundo! Por isso, é importante que você conheça algumas gírias muito populares, que já fazem parte do dia a dia em inglês. Mas atenção: elas só são usadas na linguagem falada e na Internet. Cuidado para não usá-las durante uma reunião ou quando estiver escrevendo um email!

Leia Mais

As pessoas têm conversado muito sobre empreendedorismo e algumas organizações têm incentivado as pessoas a empreender. O texto abaixo foi adaptado do artigo “What type of entrepreneur are you?” e descreve, em inglês, os diferentes tipos de empreendedores.

Leia o texto abaixo e descubra qual é o seu perfil empreendedor, ao mesmo tempo em que pratica o seu conhecimento em inglês.

Leia Mais

A competição pode nos tornar pessoas irreconhecíveis, especialmente em um ambiente onde o alto nível de desempenho é constantemente cobrado.

No dia a dia das organizações, aprendemos a identificar os alvos estabelecidos, a lançar as flechas, a tentar atingir esses alvos incansavelmente. E, principalmente, a dar aquela olhadinha para a técnica e para o resultado do colega ao lado.

Precisamos parar e observar que tipo de flecha usamos, se atingimos pessoas de raspão nesta trajetória rumo ao alvo, e se precisamos mesmo nos comparar o tempo todo. Roberto Tranjan fala deste tema no livro O Velho e o Menino (que eu recomendo a leitura).

Talvez também seja hora de modular a nossa competição – impregnada devido aos anos de treinamento, reuniões e medições – e que já levou tanta gente boa ao suicídio, morte por stress, doença crônica ou a uma profunda infelicidade. Já vivemos bastante para entender que resultado financeiro nenhum vale a pena sem saúde física e mental, ética e alegria de viver.

Por isso, faça este teste – simples e curto – que foi elaborado apenas para nos inspirar a pensar sobre nosso grau de competição, e o quanto ela pode estar deteriorando nosso caráter.

Leia Mais


Arquivo

janeiro 2019

dezembro 2018

novembro 2018

outubro 2018

setembro 2018

agosto 2018

julho 2018

junho 2018

maio 2018

abril 2018

março 2018

fevereiro 2018

janeiro 2018

dezembro 2017

outubro 2017

setembro 2017

agosto 2017

julho 2017

junho 2017

maio 2017

abril 2017

março 2017

fevereiro 2017

janeiro 2017

dezembro 2016

novembro 2016

outubro 2016

setembro 2016

agosto 2016

julho 2016

junho 2016

maio 2016

abril 2016

março 2016

fevereiro 2016

janeiro 2016

dezembro 2015

novembro 2015

outubro 2015

setembro 2015

agosto 2015

julho 2015

junho 2015

maio 2015

abril 2015

março 2015

fevereiro 2015

janeiro 2015

dezembro 2014

novembro 2014

outubro 2014

setembro 2014

agosto 2014

julho 2014

junho 2014

maio 2014

abril 2014

março 2014

fevereiro 2014

janeiro 2014

dezembro 2013

outubro 2013

setembro 2013

agosto 2013

julho 2013

junho 2013

maio 2013

janeiro 2013

junho 2012

março 2012

fevereiro 2012

janeiro 2012

dezembro 2011

novembro 2011

outubro 2011

setembro 2011

agosto 2011

junho 2011

maio 2011

abril 2011

março 2011

fevereiro 2011

janeiro 2011

WhatsApp chat